PORTUGAL
 
IMG_2032.JPG

O SELO DA TRADIÇÃO DE PORTUGAL

A CURA

TRADICIONAL

DEMOLHADO ULTRACONGELADO

TRANSFORMADO EM PORTUGAL

Entende-se por "Bacalhau de Cura Tradicional", o Bacalhau bem salgado e seco que foi previamente submetido a um processo de salga livre, seguido de um processo de maturação próprio e específico.

O Bacalhau de Cura Tradicional face às características exigidas para as matérias-primas usadas (bacalhau e sal) e ao modo de produção tradicional e específico que comporta as fases de lavagem, salga, secagem e maturação/envelhecimento.

Características

Peixe inteiro de primeira categoria, com peso superior a 1,5 Kg, pele íntegra e musculatura bem estruturada e firme, coloração uniforme entre amarelo pálido e amarelo palha. Ao corte, a musculatura evidencia-se consistente, de cor amarelada com brilho iridescente. A superfície de corte apresenta os septos de tecido conjuntivo, que separam os feixes musculares (lascas) bem distintos.

Apresentação

Peixe Inteiro, com peso igual ou superior a 1,5 Kg, não pré-embalado, devidamente rotulado com as menções obrigatórias definidas na rotulagem;

Meio Peixe, resultante do corte longitudinal de um peixe inteiro com peso superior a 1, 5 Kg, não pré-embalado, devidamente rotulado com as menções obrigatórias definidas na rotulagem;

Em Postas, obtidas por cortes transversais e perpendiculares ao plano da coluna vertebral de um peixe inteiro com peso superior a 1,5 Kg, desde que pré-embalado obrigatóriamente na origem (pelo produtor) e devidamente rotulado com as menções obrigatórias definidas na rotulagem.

No final do século passado, indo ao encontro das necessidades dos consumidores, a indústria bacalhoeira portuguesa foi pioneira na investigação, desenvolvimento e industrialização do bacalhau demolhado ultracongelado.

Esta inovação permitiu disponibilizar no mercado um produto pronto a cozinhar que, simultaneamente, incorpora a melhor qualidade e sabor da secular cura tradicional portuguesa.

A indústria portuguesa é líder mundial na disponibilização desta forma de apresentação do bacalhau ao mercado.

Sendo a demolha do bacalhau salgado seco um processo que exige cuidados, este produto é adequado a uma nova forma de vida das famílias.

Famílias mais jovens e os consumidores em geral procuram cada vez mais produtos de maior conveniência.

Actualmente existe a percepção de que o bacalhau pronto a cozinhar assegura elevados níveis de qualidade e sabor associados à tradição.

Pela diversidade de formatos e praticidade oferecidos, trata-se também de um produto indicado para o sector da restauração. 

As unidades industriais de bacalhau portuguesas estão equipadas com as mais recentes tecnologias e respeitam todas as exigências regulamentares em termos de higiene e segurança alimentar.

A atividade desenvolvida por estas empresas portuguesas tem origem secular, sendo o bacalhau um símbolo nacional. É mundialmente reconhecida a qualidade do nosso bacalhau.

PESCA SUSTENTÁVEL

Salvaguardar a capacidade das espécies, sem causar impactos negativos noutras espécies do ecossistema, sem prejudicar o seu ambiente físico ou capturá-las acidentalmente.

Em que consiste a pesca sustentável:

  • Em considerar todas as espécies de vida marinha de um ecossistema.

  • Em proteger as espécies marinhas sensíveis e os habitats vulneráveis.

  • Em manter os stocks de todas as espécies alvo num nível saudável.

  • Em usar métodos de pesca seletivos e que não destruam os habitats marinhos.

  • Em manter a biodiversidade associada à pescaria.

  • Em proteger o oceano garantindo eficiência energética e minimizando o uso de químicos e produção de lixo.

  • Em operar de maneira social e economicamente justa e responsável.

IMG_2059_edited.jpg

OS NOSSOS ASSOCIADOS

A Associação dos Industriais do Bacalhau agrupa no seu universo de Associados mais de 80% da produção industrial de bacalhau em Portugal, o equivalente a cerca de 400 milhões de euros de volume de negócios anual, empregando, de forma direta, milhares de trabalhadores.

Associados da Associação de Industriais do Bacalhau de Portugal:

Soguima | Rui Costa e Sousa & Irmão | Riberalves | Pascoal | Mar Lusitano | Manuel Marques | Lugrade | Grupeixe | Esbal | Constantinos | Companhia Nacional Comércio Bacalhau | Caxamar | Altomar

 
 

QUEM SOMOS

MISSÃO

A AIB tem por missão promover o desenvolvimento da actividade industrial do bacalhau, representando, intervindo e defendendo de forma condigna e efectiva os interesses empresariais do sector, no estrito cumprimento dos objectivos estatutários. Neste sentido, pretende que este espaço contribua para uma ampla divulgação da indústria de salga e secagem do bacalhau em Portugal, nas suas componentes de transformação e de comercialização.

 

FUTURO

A Associação dos Industriais do Bacalhau está convicta que, só de forma coesa e com o empenho de todos os parceiros sociais intervenientes, é possível alcançar elevados padrões de qualidade que garantam a plena satisfação do consumidor, condição decisiva para assegurar o futuro do 'fiel-amigo', tão enraizado na cultura e gastronomia portuguesas. 

APRESENTAÇÃO

A AIB - Associação dos Industriais do Bacalhau é uma organização de âmbito nacional, constituída em 17 de Novembro de 1993 por sete empresas industriais de bacalhau, sob a forma jurídica de associação sem fins lucrativos. Com o objectivo de promover e desenvolver a actividade industrial do bacalhau, procedeu em 1998 à revisão dos seus estatutos, constituindo-se em associação empresarial e patronal, acrescentando ao seu propósito inicial a defesa e promoção dos interesses empresariais do sector. Desde a sua formação, procura contribuir com eficácia para o desenvolvimento do sector em geral, e das empresas associadas em particular, prestando informação concreta e actualizada sobre as diversas matérias inerentes à actividade, como sejam, as de carácter económico, financeiro, social, ambiental, fiscal e aduaneiro. A AIB pauta a sua actividade por uma política de estreita colaboração com Entidades e Instituições, nacionais e internacionais, privilegiando as importantes relações que mantém com os Organismos Oficiais que norteiam o sector. A promoção da investigação tecnológica para o desenvolvimento de projectos inovadores que contribuam para a modernização e optimização da indústria que representa é uma das atribuições estatutárias que mais valoriza.

 

OBJECTIVOS

Celebrar Convenções colectivas de trabalho. Colaborar com os Organismos Oficiais e outras Entidades, procurando encontrar as melhores soluções para os problemas com que o sector se debate. Contribuir para o desenvolvimento dos seus Associados, prestando serviços úteis e personalizados com adequada informação, apoio técnico e consultoria. Defender as empresas, os empresários e as suas expectativas, dando força às suas reivindicações e visibilidade aos seus interesses. Desenvolver a actividade industrial do bacalhau, promovendo a investigação tecnológica, a formação empresarial e a qualidade dos produtos. Difundir a actividade desenvolvida pela Associação. Dinamizar e Incrementar o espírito associativo, promovendo a união das empresas industriais de transformação e comercialização de bacalhau. Equacionar definições de novas normas nas diversas áreas inerentes à actividade do sector. Filiar-se ou  Cooperar com outras Organizações ou Organismos congéneres, nacionais ou internacionais, de acordo com a necessidade de realização dos seus objectivos. Garantir o futuro da indústria do sector, estimulando a sua dinâmica, capacidade, progresso técnico e económico. Intensificar a colaboração com outras Entidades, nacionais ou estrangeiras, em áreas de interesse que contribuam para o desenvolvimento da indústria do bacalhau. Manter organizado um cadastro dos Associados, com informações úteis e necessárias. Organizar formas de divulgação da indústria de transformação do bacalhau, por iniciativa própria ou em parcerias, que promovam a colocação deste produto nos mercados interno e externo. Promover estudos, procurando soluções colectivas em questões de interesse geral. Propor as pretensões dos Associados em matéria de segurança social e protecção aduaneira. Proteger a actividade industrial do bacalhau contra as práticas de concorrência desleal lesivas dos seus interesses ou do seu bom-nome. Recolher e Divulgar informações e elementos estatísticos de interesse para a actividade.

ACÇÕES DESENVOLVIDAS

A AIB estabeleceu, em 2003, um protocolo de colaboração com a Universidade de Aveiro, para o desenvolvimento de projectos inovadores em parceria com o departamento de Engenharia Mecânica daquela Universidade.  Da actividade recentemente desenvolvida, destaca-se o seu contributo na elaboração da proposta de Decreto-Lei que estabeleceu as novas condições a que deve obedecer a comercialização do bacalhau e espécies afins, salgados verdes, semi-secos e secos. Com a aprovação da referida proposta em Conselho de Ministros, em Novembro de 2004, a AIB viu assim reconhecido o resultado da sua participação no Grupo de Trabalho que deu forma e conteúdo àquele documento, que foi publicado oficialmente a 28 de Janeiro de 2005. O Decreto-Lei nº 25/2005 reveste-se da maior importância para este sector de actividade, pela criação de novos princípios e regras de actuação: destaca-se a definição dos métodos de determinação dos teores de sal e de humidade, adoptados como oficiais, que irão constituir a ferramenta necessária ao exercício da actividade das entidades fiscalizadoras. A AIB espera que o novo diploma contribua em absoluto para a racionalização, reequilíbrio e regulação deste sector de actividade, a jusante e a montante. Com este fundamento e motivada pelo desejo dos seus Associados em contribuírem positivamente para o cumprimento do novo Diploma, e enquanto parceiros na base da cadeia comercial daqueles produtos, a AIB promoveu um Workshop (Auditório do Museu Marítimo de Ílhavo) cujo Painel de Oradores integrou as Entidades responsáveis pela implementação e observância no 'terreno' das novas normas. A AIB foi também promotora de um projecto que teve por objectivo caracterizar o método de fabrico do 'Bacalhau de Cura Tradicional Portuguesa', cujo processo de candidatura para a sua qualificação enquanto Especialidade Tradicional Garantida (ETG) se encontra em curso. Este projecto revela-se inovador por ser pioneiro na qualificação de um produto da fileira do pescado a nível nacional e comunitário. Dada a importância estratégica que a indústria e o comércio de bacalhau representam para o País, a AIB tem dado especial atenção à promoção e visibilidade destes produtos a nível nacional e internacional. Assim, e desde 2001, tem participado institucionalmente num dos maiores eventos internacionais do sector das pescas, a European Seafood, que se realiza anualmente em Bruxelas. 

ORGÃOS SOCIAIS

Conselho Directivo 

Presidente

Luísa Melo

em representação da Esbal - Empresa de Secagem de Bacalhau, SA

 

Vice-Presidente

Fernando Alho

em representação da Mar Lusitano - Produtos Alimentares, Lda 

 

Tesoureiro

Vítor Lucas

em representação da Lugrade, SA 

 

Mesa da Assembleia geral 

 

Presidente

Aníbal Paião

em representação da Pascoal, SA 

 

Vice-Presidente

Elisabete Constantino

em representação da Constantinos, SA 

 

Conselho Fiscal 

 

Presidente

Agostinho Gonçalves

em representação da CNCB, SA 

 

Secretário

Bruno Guerra

em representação da Altomar, SA

 

Relator

Ricardo Alves

em representação da Riberalves,  SA 

 

CONTACTOS

SEDE

AV. DOS BACALHOEIROS 290, 2ºESQ
3830-553 GAFANHA DA NAZARÉ

PORTUGAL

CONTACTOS GERAIS

(+351) 234 368 002

AIB@AIBPORTUGAL.COM

CONTACTOS SECRETÁRIO GERAL

PAULO MÓNICA

SECRETARIADO@AIBPORTUGAL.COM

 

CONTACTOS IMPRENSA

(+351) 912 608 283 JFF@ARENASTECHNOLOGY.COM

FORMULÁRIO DE CONTACTO

© 2020 ASSOCIAÇÃO DOS INDUSTRIAIS DO BACALHAU | PORTUGAL